Número total de visualizações de página

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Delena est neo-liberais! Catão o Antigo reabilitado!

1. “Delenda est Carthagus” (Cartago deve ser destruída) ou, numa versão mais frondosa, “Ceterum censeo Carthaginem esse delendam” (além disso acrescento que Cartago deve ser destruída) seriam, segundo reza a história, expressões invariavelmente utilizadas pelo senador Catão - o Antigo, em cada intervenção pública no Senado Romano, alguns anos antes de Cristo.
2. Pois agora em Portugal temos uma versão adaptada de Catão - o Antigo, em M. Soares - o Anti-Liberal , que já não é capaz, nas suas escritas hebdomadárias, de usar outro tema que não seja do tipo: “O Governo deve ser demitido”...
3. Hoje (esta semana), por exemplo, a frase é “Por que espera o governo para se demitir?”...
4. Curiosamente, ao ler há pouco esta citação num jornal on-line, ocorreram-me duas associações de ideias: (i) a primeira, que o Governo provavelmente só espera, para se demitir, que o Dr. M. Soares suspenda as suas investidas oratórias, que já começam a cansar de tão repetitivas; (ii) a segunda, de que ontem foi anunciada uma segunda possível redução, de 30 para 50%, das contribuições do Estado para um determinado grupo de Fundações, a partir de 2014...
5. Mas, logo de seguida, comentei comigo próprio: ora que ingenuidade, a minha! Até dá jeito ao Governo ter um Catão, de serviço permanente!

11 comentários:

Massano Cardoso disse...

Catão, catar, catarse, catatónico, cata não cata está aí a fazer das suas. E se o Mário fosse catar-se?

alberico.lopes disse...

Caro Amigo:
Mas que grande post!Será que esse tal Catão,um sovedouro dos dinheiros públicos com as suas mordomias absurdas, tem alguma alma caridosa que lhe faça chegar este seu artigo? É que realmente,aquele demente já cansa!Ele e não só!Há outros abencerragens que infelizmente, e contra tudo o que se poderia pensar,têm alinhado com este desiquilibrado,não tendo pejo nas considerações abstrusas que produziram,para que o clima à volta do governo,que herdou este fardo,possa levar-nos a bom porto. O último foi o ministro dos estrangeiros do fugitivo de Paris,que talvez devesse reconsiderar o espectro político em que quer inserir-se:ele e a D.Maria José,essa "progressista"de aviário!
Mas,enfim,´o que há!E quanto ao "ancião"Soares,só lamento que Deus lá no Céu demore tanto tempo a lembrar-se dele!

Tonibler disse...

Não se pode dizer que não é eficaz. Tanto refilaram com a RTP que ainda aí anda, este refila e o financiamento ainda aí está, o outro ameaça demitir o governo e a presidência continua com os custos absurdos que ainda tem. Isto no fundo, mais que a voz do senador Catão ouve-se a voz de um desconhecido filósofo lusitano que um dia afirmou "Isto quem não chora, não mama..."

JM Ferreira de Almeida disse...

Também acho que o governo só não se demite porque o Dr. Soares pede continuamente a sua demissão. Pura teimosia, nada mais.

Um Zero à Esquerda disse...

O fingimento de que se fala neste post que reirei do blogue Machina Speculatrix (e que aqui reproduzo)parece ter continuidade no 4R.

«Que o poeta seja um fingidor, aceita-se.
Que a política oficial continue a ser largamente um fingimento, é inaceitável.
O governo finge que vai correr tudo bem. Minto: o governo finge que acredita que vai correr tudo bem.
A oposição responsável (se não quisermos ser simpáticos: a oposição deste rotativismo) finge que está nas nossas mãos fazer diferente apenas pelas nossas forças. Não digo que "a oposição de sua majestade" minta, porque não sei até que ponto vai a sua ingenuidade: quanto maior for a ingenuidade, menos será a sua culpa e menor será, ao mesmo tempo, a sua valia para um país aflito. Mas seria bom ir pondo os olhos em Hollande, cujas ideias não vão a lado nenhum só com vontade e declarações.
A oposição valentona (se não quisermos ser simpáticos: a oposição que quer deitar fora o bebé com a água do banho) finge que as nossas dores seriam menores se virássemos as costas aos nossos credores e vivêssemos desde já com o que produzimos. A retórica do "não pagamos" é pegar ou largar: há poucas pessoas que saibam o que isso nos custaria que ainda se atrevam verdadeiramente a defender tal opção.
O que é assustador no fingimento reinante não é a variedade das vozes. Poderia dizer-se: não saímos daqui porque "cada cabeça cada sentença". Julgo que, na verdade, não é isso o que se passa, mas antes algo bastante mais bizarro. O que assusta os políticos de circunstância é que o momento pede convergência e não brados heróicos contra todos os outros à sua volta, que é aquilo que esta guerra civil não declarada tem desgraçadamente pedido. Vejamos.
Quase toda a gente está de acordo que a actual estratégia de "ajustamento" não vai resultar e, além disso, que a única saída é conseguir uma condicionalidade diferente para os empréstimos da Troika. Desde Miguel Cadilhe a Arménio Carlos, passando por altas figuras dos partidos do governo, toda a gente já percebeu que assim vamos rebentar na praça pública. Claro que o "não pagamos" da esquerda da esquerda não é a mesma coisa que a "negociação honrada" de Cadilhe, ou o "mais tempo e menos juros" do PS. Isto é: todos estão a ver o problema mais ou menos da mesma maneira, embora não pareça. Não parece, porque o discurso anti-Euro tem um aspecto diferente do discurso pró-Euro, mas, em termos práticos, se se conseguir uma modificação substancial das condições, toda a gente vai respirar melhor e os termos do debate evoluem. Mesmo o PCP e o BE não se importam que venha o dinheiro...
(continua)

Um Zero à Esquerda disse...

(continuação)
Isto dá a ideia de que haveria condições para algum consenso nacional em torno de objectivos mínimos para tentarmos escapar do buraco. Só mesmo Passos e Gaspar remam contra esse consenso. O país ganharia imenso, em termos de margem de manobra internacional, se aparecesse unido contra esta austeridade sem futuro, exigindo outro programa para outro ajustamento - embora comprometendo-se a uma conduta responsável como parceiro na comunidade internacional. Já imaginaram a força que teria lá fora aparecerem os patrões e os sindicatos, a direita e os comunistas, unidos nesta frente?
A dificuldade é que para isso teriam de unir-se agora naquilo em que convergem, deixando para depois as divergências. E isso está contra a moda da guerra de todos contra todos na nossa política doméstica.
Assim sendo, todos fingem que as suas representações habituais continuam a valer alguma coisa. Alguns esperam que o brinde de uma nova orientação europeia (depois das eleições alemãs) chegue antes do dilúvio (e antes de o seu governo cair). Outros esperam chegar ao poder em bom tempo, para não arderem no mesmo fogo que já deflagrou. Outros (na esquerda da esquerda) esperam que tudo corra suficientemente mal (ao PS e à Europa) para mudarem o mapa político português e atirarem os socialistas para o lixo. E todos vão fazendo de conta que isto é forma de lidar com um país.
A convergência, se não o consenso, arde muito nas mãos dos políticos tradicionais portugueses: não sabem o que lhe hão-de fazer. Neste momento, em vez de valorizarem o facto de quase todos verem o perigo vir do mesmo lado, em vez de investirem num consenso político tão alargado como quase nunca é possível, continuamos a esmiuçar os sufrágios. E o tempo a passar. Contra nós.
(No meio disto tudo, esqueci-me de falar de Cavaco Silva. Na verdade, é um esquecimento que não faz muita diferença: o Presidente já não é deste mundo. A menos que tenha regressado ao Pulo do Lobo e à manha de se esconder para regressar vestido de cordeiro.)

Tavares Moreira disse...

Execelente exercício semasiolólico, caro Professor, até podia acrescentar a conhecida expressão "catar piolhos"...que em última análise é disso que se trata!

Caro Albérico Lopes,

Não vamos tão longe, não me parece de todo necessário desejar excessiva desventura ao inflamado articulista!
Sejamos menos belicosos, o Senhor pode desejar a morte do Governo - de resto não se ocupa doutro assunto - mas não se trata de uma morte física, apenas funcional...
E já quase ninguém se afoba com tais ditirambos!

Caro Tonibler,

Essa veia catânica sintetizável em delenda est Belém" tb é assinalável e persistente...

Caro Zero à Gauche,

Grande profusão de palavras...mas com sentido dificilmente discernível, pior ainda a esta hora da noite...já não dá para adequada exegese, desculpar-me-á.

Diogo disse...

Talvez seja por isto:

Paulo Morais, professor universitário - Correio da Manhã – 19/6/2012

[...] "Estas situações de favorecimento ao sector financeiro só são possíveis porque os banqueiros dominam a vida política em Portugal. É da banca privada que saem muitos dos destacados políticos, ministros e deputados. E é também nos bancos que se asilam muitos ex-políticos." [...]

[...] "Com estas artimanhas, os banqueiros dominam a vida política, garantem cumplicidade de governos, neutralizam a regulação. Têm o caminho livre para sugar os parcos recursos que restam. Já não são banqueiros, parecem gangsters, ou seja, banksters."

Carlos Ribeiro Silva disse...

Lembrem ao Dr Mario Soares a leitura do livro de Rui Mateus.
Carlos Ribeiro da Silva

C.e.C disse...

O que me admira nem é a continua divagação do Dr. Mário Soares, é, sim, o recente desaparecimento de cena do outro guerrilheiro, Jorge Sampaio.
Imagino que não queira desgastar a imagem, nem mesmo com os típicos ataques de guerrilha que ambos fazem constantemente.

Tavares Moreira disse...

Caro Diogo,

Se puder ser um pouco mais explícito na ligação entre os dois temas - o do Post e do seu comentário - a comunidade agradece.

Caro Carlos Ribeiro da Silva,

O que o Senhor veio lembrar! Com essa lembrança, o fogoso articulista perde completamente o sono...ou será para esse lado que ele dorme mehor, como diz um bem-humorado amigo meu?

Caro C. e C.

Estes guerrilheiros nunca dormem, mesmo quando aparentemente desaparecidos, eles estão vigilantes, de atalaia, prontos a cairem sobre os seus adversários, como vorazes leopardos!
É apenas uma questão de oportunidade, basta tocarem-lhes no lugar da mesa orçamental...