Número total de visualizações de página

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O médico e o barbeiro (da sabedoria popular)

Sempre que encontrava o Zé, ele vociferava contra o médico que lhe tinha amputado a perna, insultando-o a ele e a toda a família. Esquecia-se, porém, de que tinha sido o tratamento do barbeiro e a sua própria incúria a deixar gangrenar a perna. Nada havia a fazer e cortar a perna era o que qualquer médico faria para lhe salvar a vida.
Podemos discutir se um melhor médico lhe teria deixado mais um centímetro de perna, mas no essencial a perna teria de ser cortada.
Claro que é sempre mais fácil culpar o médico do que o barbeiro. Porque não foi o barbeiro a cortar a perna.  

12 comentários:

Massano Cardoso disse...

E quando se curam as pessoas, as loas vão direitinhas para a Nossa Senhora, habitualmente a de Fátima, sem desprimor para as restantes. Médico serve para isso mesmo, ser o cepo das marradas ou ser preterido pela Santidade. Vá lá que mesmo assim ainda vai caindo uns queijitos, umas garrafas de tinto ...

Pinho Cardão disse...

Estou a ver, caro Professor, que, mesmo assim, os médicos são gente cheia de sorte. Levam queijitos e tinto, enquanto Nossa Senhora só leva umas velitas e... recicladas. Veja lá se fosse o contrário!...

Massano Cardoso disse...

Credo Pinho Cardão! Velas? Não aprecio muito o cheiro.Prefiro o "fumo" do tinto e o "cheiro" do queijo.

Jorge Lucio disse...

Caro Pinho Cardão,
É uma analogia um pouco "excessiva"...
A menos que começássemos por cortar a Madeira. E aí até o Zé agradecia a perna de pau que o médico lhe deixasse.

Pinho Cardão disse...

Caro Professor:
De facto, Nossa Senhora tem menos sorte...

Caro Jorge Lúcio.

Analogias cada qual toma as que quer...
Eu só contei a história.

Bartolomeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bartolomeu disse...

No entanto, caro Dr. Pinho Cardão, médicos ha que, assim que montam consultório arvoram em deuses e em salvadores da saúde, militantes e abenegados combatentes contra a doença. Esses médicos, quando recebem um doente com a perna gangrenada afiançam ao doente que: apesar de o barbeiro ter feito asneira, ELE irá salvar-lhe a perna; quanto muito, irá ter de cortar-lhe um dedo do pé. Quando se vai ver, já o desgraçado do doente não tem uma perna e está em risco de ficar sem a outra. É nessa altura que o doente ajoelha frente ao altar e pede desesperadamente à Virgem que o salve.
Ou então, junta-se um punhado de doentes-perneta - vítimas desses barbeiros e desses médicos-malabaristas - em frente à casa do médico e, olhe... é um fartar-vilanagem acompanhado de um churrilho de asneiras, das quais a mais leve é "gatuno".
Como escrevia o nosso caro professor Massano Cardoso, à dias, em resposta a um comentário meu: somos humanos e os humanos reagem como humanos, não se pode esperar outra coisa, sobretudo quando os humanos ficam amputados.

Pedro disse...

Caro Pinho,

É já dificilimo, senão mesmo impossivel, diferenciar o seu "medico" do seu "barbeiro".

E no entretanto,uma coisa é certa, com perna ou sem perna, facto é que nenhum deles estancou ainda a "gangrena" que a todos nos afecta.

Pinho Cardão disse...

Caro Pedro:
Engana-se, caro Pedro, nem médico, nem barbeiro são meus, são personagens de todos os tempos e de todos os lugares.

Caro Bartolomeu:
Tem toda a razão. Mas não pode esquecer também a culpa do doente que, em primeira mão, escolheu o barbeiro.

Bartolomeu disse...

É verdade, caro Dr. Pinho Cardão.
Efectivamente, o doente escolheu o barbeiro mas, recordar-se-à o meu estimado amigo que essa escolha foi forçada, dado que o médico que anteriormente o tratava, decidiu abandona-lo e entrega-lo às mãos de um barbeiro-charlatão, ou Santanão ou lá o que era que se não fosse um certo acenourado, tinha transformado o consultório num "elefante branco" com tromba e tudo.

Pedro disse...

"seus" no sentido dos "direitos de autor" da alegoria. era só isso!

mas embora não a tenha referido, a "gangrena" é mesmo nossa - tanto do autor, como dos leitores - e convinha estancam-la, pois já andamos "mancos", e por este andar...

...enquanto olhamos para os "barbeiros" e os "medicos", daqui a mais levam-nos a outra "perna"...

e acabamos a "rastejar"! (o q não deve faltar muito, atendendo á quantidade de gente que já "anda de cócoras" !)

Stoudemire disse...

Pinho Cardão disse: «Caro Jorge Lúcio.

Analogias cada qual toma as que quer...
Eu só contei a história.

23:56»

Caro Pinho Cardão, já é tradição sua: lança o mau cheiro e depois afasta-se, deixando os outros a apontarem-se o dedo. No final, nem fod* nem sai de cima.

Ainda vamos voltar a isto:

Levando um velho avarento

Uma pedrada num olho,

Pôs-se-lhe no mesmo instante

Tamanho como um repolho.


Certo doutor, não das dúzias,

Mas sim médico perfeito,

Dez moedas lhe pedia

Para o livrar do defeito.


"Dez moedas! (diz o avaro)

Meu sangue não desperdiço:

Dez moedas por um olho!

O outro dou eu por isso."