Número total de visualizações de página

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Litoral português: uma tragédia anunciada?

E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia - Mateus 7:26.




Segundo a notícia, investigadores dos Departamentos de Engenharia Civil e de Geociências da Universidade de Aveiro criaram um modelo sobre a dinâmica do litoral português que permite estimar que desaparecerão nos próximos 30 anos muitas das nossas praias. Esta é a visão benigna do problema da medonha erosão costeira que pouco parece preocupar as autoridades. No litoral não existem só praias. Existem bens e sobretudo existem vidas, postas permanentemente em perigo.
Aqui bem perto de onde estou, um bairro inteiro vive o risco da catástrofe se se der (quando se der?) o avanço (inexorável?) das águas. A foto é elucidativa...
As conclusões deste estudo não se diferenciam de outras a que chegaram especialistas em especial das universidades do Porto e do Algarve. E ao invés de outros "modelos", como alguns adotados nas ciências sociais, baseiam-se na observação de factos. Por exemplo, o facto de, em virtude de fatores naturais mas sobretudo da artificialização do litoral e dos nossos rios (que impede a chegada e a deriva litoral de sedimentos), em 50 anos o País ter encolhido, nalguns pontos, mais de 200 metros.
 
Detesto o tremendismo. Mas incomoda-me ainda mais esta lusa atitude de esperar que a tragédia, latente, não nos chegue a bater à porta. A história recente, porém, ensina que alguns efeitos de catástrofes ditas naturais bem poderiam ser minorados, se não evitados, com ações de prevenção e de correção.
Sei bem que temos um Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (2012-2115). Mas também sei que olhando para o que dele consta e o que é previsivel que aconteça, no seu período de vigência provavelmente o que acontecerá será a conservação do plano, e faltará, como quase sempre, a ação.
E um dia...

2 comentários:

jotaC disse...

Já é notório em muitas praias...

Joao Jardine disse...

Caro JMFAlmeida

Se não cuidamos da renovação das gerações, como se pode admirar de não cuidarmos da renovação/conservação do nosso litoral?
Cumprimentos
joão