Número total de visualizações de página

domingo, 18 de novembro de 2012

Deste Lado da Ressurreição

É o novo filme de Joaquim Sapinho, em estreia.   
“Queria que as pessoas dissessem “ouvi o mar”, como se estivessem dentro do mar. Ou, ainda mais perturbador- por simultânea razão de pudor e dificuldade- ouvir o que é respirar ou sentir a corda cortando a pele numa mortificação. Destruo e reconstruo o som para que fique numa espécie de tridimensão…
…Tem que ver com o facto de o som, para mim, ser uma banda como a da imagem. Eu diria que são duas bandas de imagem…É como se eu as pusesse, ao sobrepô-las, em conflito…”
Joaquim Sapinho, em entrevista ao Actual

Depois de tão gongórica apresentação, quem ficou isento de conflito fui eu: já não vou ver o filme. E, muito menos, ouvi-lo. Safa! 

 

6 comentários:

Bonaparte disse...

O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho fala em "tufão" no Algarve e deixou críticas ao ministro da Administração Interna.
Notícia do sapo

Apesar de tudo tenho uma boa impressão de Passos Coelho. Penso que Miguel Macedo ultrapassou as ordens do 1º Ministro no dia 14 de Novembro, as declarações de PPC demonstra bem isso.

Catarina disse...

: ))))

Tavares Moreira disse...

O meu Amigo até pode não ir, mas olhe que já pagou o seu bilhete...no IRS, claro...

Tonibler disse...

Coitado do homem... Mas o caro T Moreira tem razão, o seu bilhete está pago. E se calhar o homem, aproveitando que já tem os bilhetes pagos, prefere direccionar a sua publicidade à bicharada, já que o dinheiro das pessoas normais já lá canta. Na volta o filme é bom e o homem é perfeitamente normal. Mas, se for, será destruído pela crítica....

Jorge Lucio disse...

Caro Pinho Cardão,

Vai achar que "gosto de discordar consigo", mas confesso que o seu post me parece relevar alguma intolerância.

Eu não vi filmes deste realizador, mas em consulta rápida à Wikipédia, verifico que foram exibidos nos Festivais de Berlim e Toronto, pelo que alguma qualidade terão...

A sinopse do filme é no mínimo interessante, e se se passa em Sintra e no Guincho, o trabalho sobre como o "som do mar entra no filme" não poderia deixar de merecer uma atenção redobrada do realizador. E discordo totalmente da sua opinião sobre a entrevista: acho que o que é dito é interessante e faz todo o sentido!

Desculpe-me a franqueza, mas a impressão que dá é que no Séc. XIX teria alegremente carimbado as obras dos impressionistas com o célebre "R", desde então tão glosado.


"já agora 1": eu sei que já paguei o meu bilhete, mas reduzir o papel cultural do Estado à conservação dos Monumentos e a apoio a obras "para toda a gente" parece-me muito pouco.

"já agora 2": nos gloriosos (idos) anos 80 e 90 muita gente terá dito do CCB, e do desvario orçamental que representou - de 6Mcontos orçamentados para perto dos 30Mcontos - algo semelhante, com juras de "nunca lá entrar"...

Stoudemire disse...

O moscardo da guerra do Iraque até a dormir só «vê» $. Tudo o mais são papoilas saltitantes (ele deve saber do que falo...).

De cultura, estamos conversados: se for uma coisa à Bosque da Holly, é para a populaça; se é uma coisa à europeia, é uma xaropada. Enfim...

Não podia terminar sem: «Caro Pinho Cardão...». Há algo de mágico nesta apóstrofe.